Média de 600 Kg de lixo é retirada do Rio Cocó por mês, em Fortaleza

(0 comentário)

Fortaleza vai da serra ao mar e do asfalto ao curso d'água em poucos quilômetros, costurada por uma urbe frenética, por gente. Este, aliás, é o problema: a gente. Que produz e descarta irregularmente lixo demais. Sujeira, então, passou a ser componente "natural" das águas. Só do trecho de 8,5 Km do Rio Cocó que recebe limpeza diária (por duas pessoas), é retirada uma média de 20 Kg de lixo por dia. Nos demais rios da Capital, as limpezas são "pontuais", segundo a própria Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema).

O trabalho de manter o Cocó "limpo" é de Francisco de Assis Araújo, tenente reformado da Polícia Militar do Ceará, ex-comandante do Batalhão de Polícia do Meio Ambiente (BPMA) e atual responsável por operar os passeios de barco no Rio Cocó. A contrapartida dele ao Estado para lucrar com a atividade é, junto a um agente da Sema, retirar lixo do curso d'água desde a Avenida Engenheiro Santana Júnior até a região entre Caça e Pesca e Sabiaguaba.

"De segunda a sexta, eu faço manutenção do rio. Todo dia, encontro lixo: o que mais tem é garrafa pet e sacos plásticos, mas também tem pneu, já encontrei bicicleta inteira, carcaça de geladeira, restos de colchão, sofá, peças de carro... Aqui só tem o que não presta", relata, com o misto de desgosto e revolta de quem navega nas águas do Rio Cocó desde os anos 1990 e, portanto, as tem como segunda casa.

Danos

A grande quantidade de resíduos sólidos que sai da água preenche, mensalmente, até 50 sacos plásticos, como confirma o articulador das Unidades de Conservação Estaduais da Sema, Leonardo Borralho. "É uma média, e vemos que a tendência é diminuir. Mas é importante dizer que o rio é aberto e tem fluxo natural, então o lixo pode ser jogado dentro ou fora do parque, perto ou a quilômetros de distância - ele vai chegar ao rio da mesma forma, por falta de zelo".

Os danos aos recursos hídricos e à vida subaquática são presenciados com frequência por Araújo. "Já encontrei peixe morto dentro de saco plástico. Entrou, ficou preso e morreu sem se alimentar. Isso é um exemplo bem simples. Já encontrei socó (espécie de ave) com o bico preso numa tirinha de chinela. Ele pega as coisas com o bico. Pensou que o pedaço de borracha fosse cobrinha d'água. Estava morrendo afogado e consegui salvar. Outro estava com uma estopa enrolada no bico, não conseguia se alimentar. O que o lixo faz é prejudicar animais, aves, peixes", relata o barqueiro.

Outros olhos que se voltam a um dos principais recursos ambientais da cidade, mas de forma independente do Governo estadual, pertencem aos voluntários do Sabiaguaba Lixo Zero, coletivo que realiza limpezas nas águas e no mangue do Cocó. As coletas tiveram início em janeiro de 2017, ano em que foram retirados do mangue quase 795 Kg de lixo. Somando o valor com o montante recolhido em 2018 e 2019, já são cerca de 3 mil toneladas de resíduos a menos no meio ambiente. Já neste ano, em uma coleta, o lixo somou mais de 188 Kg.

"Os 20 membros do coletivo se reúnem pra fazer a coleta dentro do Cocó, sem ponto definido. A gente tem parceria com um barqueiro e segue rio acima. Feita a coleta, retornamos à Casa Camboa (entidade social da Sabiaguaba) e contabilizamos a quantidade de resíduos sólidos. Não tem como dizer qual é o tipo de lixo, porque tem tudo o que puder imaginar", descreve o pescador e coordenador do coletivo, Roniele Silva, 31, que ressalta, ainda, o objetivo da ação: "educar sobre o meio ambiente e mostrar a importância do nosso território".

Rio vivo

De acordo com o titular da Sema, Artur Bruno, "limpezas e patrulhamento são realizados diariamente para evitar crimes ambientais" como a poluição, mas ainda é necessária a "consciência ambiental". "A Bacia do Rio Cocó abrange dois terços da área de Fortaleza, é o principal rio da nossa cidade. Só no Parque do Cocó, são 20 Km do rio. Precisamos preservar desde a nascente, envolver comunidade, empresários, fábricas e a Cagece para despoluir. Esse rio tem vida, é preciso cuidar dele antes que vire um Tietê, um rio morto", aponta o secretário.

Para isso, segundo detalha Leonardo Borralho, deve ser lançado no próximo semestre o Pacto pelo Cocó, cuja ideia "é fracioná-lo em territórios, para que cada comunidade se sinta empoderada para cuidar, seja 'ecoguardiã' do seu espaço". O articulador da Sema afirma ainda que o projeto "tem eixos temáticos, como saneamento básico e coleta seletiva", a fim de criar um contexto favorável à limpeza dos recursos ambientais. Outra medida em andamento, também prevista para este ano, é a dragagem do Rio Cocó. "É retirar resíduos sólidos, lixo e sedimentos como areia e outros materiais acumulados no fundo do rio, que diminuem a navegabilidade", explica.

Para o Cocó, há esperança. Para outros rios do Estado - como Ceará, Pacoti e Mundaú -, nem tanto. "Algumas dessas áreas são conservadas, outras mais críticas. Fazemos ações pontuais, não tem limpeza periódica como no Rio Cocó. Lá, precisamos fazer isso para o passeio de barco continuar existindo", justifica o articulador das unidades de conservação do Estado.

(Diário do Nordeste, por Theyse Viana - Foto: Fabiane de Paula)

Atualmente não avaliado

Comentários

Não há comentários no momento.

Novo Comentário

obrigatório

obrigatório (não publicado)

opcional

Categorias

Arquivo

2020
2019
2018
2016
2014
2013
2012
2011
2010
2009