Empresa de flores aposta no turismo em Ubajara

(0 comentário)

A empresa Swart Rosas, instalada em Ubajara, microrregião da Ibiapaba, investiu R$ 200 mil em projeto que inclui setor turístico e nova linha de produtos aromaroterapêuticos a partir das flores. Além da ampliação do mix, a meta é somar com a experiência de consumo, com a visitação guiada de todo o ciclo produtivo das rosas.

O turista percorre as estufas para acompanhar as etapas de plantio, preservação, controle de qualidade e armazenamento antes de chegar às vitrines das floriculturas. As plantas que não são vendidas por questões de padronização estética da marca são reaproveitadas para compostagem e criação desses novos produtos, comercializados no Espaço Swart Aromas, dentro do complexo.

Dentre os produtos, estão óleos, perfume botânico, difusor para ambientes, água de lençóis, aromatizantes e sais de banho. Os valores variam de R$ 15 a R$ 45. Já a visitação, que integra a rota turística Mirantes da Ibiapaba, idealizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), custa R$ 25. Além do percurso, o visitante pode optar por uma oficina de buquês ou escalda-pés. "A meta do projeto é um ganho semanal de R$ 20 mil", projeta Theodoro Jacob Swart, presidente da empresa.

O objetivo é alcançar os consumidores do Piauí, estado vizinho que impulsiona o fluxo turístico da região. "É uma demanda dos próprios visitantes, que buscam por novas experiências", aponta. Para a turista da Parnaíba, Alana Frazão, 57, o projeto possibilita novas vivências. "Sempre venho para cá e ter essa opção, é surpreendente. Mostra um Ceará além das praias", diz.

Atualmente, 15% da produção de rosas do negócio é enviado para o Pernambuco e Piauí. Os outros 85% vão para Holambra, em São Paulo, por meio da cooperativa Veiling. A produção dispõe de três variedades de rosas: amarela (déjavu), rosa (sweet memory) e vermelha (ipanema). A empresa possui oito hectares de estufas, com produção anual de 6 milhões de hastes de rosas e possui 101 funcionários.

Há 15 anos no mercado, as exportações não estão nos planos do empresário. Segundo Theodoro, o mercado interno tem forte potencial e a tendência é explorá-lo mais. "Inclusive, existe a compra de rosas colombianas, porque chega a faltar produto no Brasil", diz.

Ocorre que a venda para fora de flores e plantas ornamentais declinaram 831% na última década, conforme levantamento do Observatório da Indústria, realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), com dados da Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Em 2009, as exportações movimentaram R$ 3.576.404. Já em 2019, a cifra até abril deste ano, ficou em R$ 33.297. Em 2018, as vendas totalizaram R$ 185.943.

*A repórter viajou a convite da Swart Rosas

(Jornal O Povo, por Bruna Damasceno - Foto: Eugênio Silva - Adaptado por CI)

Atualmente não avaliado

Comentários

Não há comentários no momento.

Novo Comentário

obrigatório

obrigatório (não publicado)

opcional

Categorias

Arquivo

2020
2019
2018
2016
2014
2013
2012
2011
2010
2009