Rotina de trabalho nas polícias Civil e Militar independe do gênero

(0 comentário)

É sobre ser mulher. Além das ideias pré-concebidas, que formam um estereótipo fora da realidade. "Lugar de mulher é onde ela quiser", é o que dizem, há algum tempo, sobre a sociedade aceitar as escolhas alheias, inclusive no que se refere ao âmbito profissional. Para quem protagoniza a história, o estranhamento vem de fora e não deve ser limitante.

Quando completou 18 anos, Lívia Xavier terminou o Ensino Médio e, por um pedido do pai, começou a se dedicar às provas de concursos públicos. Não importava onde seria o local de trabalho, desde que a jovem já se preparasse ali para uma independência financeira e construção de carreira. Foram três aprovações em um curto espaço de tempo, entretanto devido ao salário e por ter sido logo convocada, optou por ingressar na Polícia Militar do Estado do Ceará (PM-CE).

Prestes a completar 10 anos como membro da corporação, a cabo do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Ceará (BPChoque), relembra sua entrada na PM e as dificuldades pelas quais já passou. Durante cinco anos, Lívia integrou o extinto Ronda do Quarteirão e começou a se apegar pela profissão.

Delegada Socorro Portela
A delegada Socorro Portela é a única mulher no Ceará que já esteve à frente das principais unidades da Polícia Civil - Foto: Natinho Rodrigues

"Foi tudo de paraquedas. Todo mundo na minha casa apoiou e disse que dando certo ou não eles me ajudariam. Fui para o recrutamento e fiquei lotada no Ronda. Me adaptei ao serviço, que na época era voltado para uma polícia comunitária. Isso foi bom pessoal e profissionalmente. Foi onde eu conheci a realidade do mundo, vi a pobreza e saí da minha bolha", contou a 'choqueana', como são conhecidas as mulheres que atuam dentro deste Batalhão.

Sua ida para o policiamento especializado também não foi premeditada. A militar afirma que se inscreveu para o curso por influência dos amigos, que acreditavam que ela fosse capaz de estar no BPChoque. Há cinco anos, ela se formava junto às primeiras mulheres a ingressar neste Batalhão.

Propósito

A delegada Socorro Portela tem quase o mesmo tempo de concursada da cabo Lívia. Durante os nove anos de carreira, a policial civil passou por diversas delegacias e se consolidou como a única mulher do Ceará a ter dirigido as duas principais unidades investigativas da PC do Estado: o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e também a Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD).

Atualmente lotada como delegada titular do 2º Distrito Policial (Aldeota), com uma equipe de 60 servidores, Socorro pontua que nos nove anos de carreira não sentiu nenhuma dificuldade em chefiar pessoas do sexo oposto. Para a policial civil, o gênero não a impediu de conquistar grandes feitos na profissão.

"Acho que tudo é uma questão de esforço. Se você trabalha, você é tratada com respeito e é admirada. Ainda é uma profissão com mais homens, mas nunca senti nenhuma dificuldade. Eu amo ser delegada de Polícia. É um sonho realizado. Na minha vida pessoal, ser delegada nunca interferiu. Meu marido também é do meio, do Poder Judiciário. Assim como tudo na vida, claro, cada conquista acontece a partir de muita dedicação", afirmou Socorro.

Samara Alves, primeira mulher do Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) no interior do Ceará, também pontua que a dedicação é o diferencial para o reconhecimento. Mesmo assim, o preconceito dentro e fora da Corporação não deixa de existir.

"Vai além do ambiente da Polícia Militar. É por ser mulher. Sempre acham um motivo, mas eu também sei que isso não deve me atingir. Sei o que posso fazer e onde quero chegar. O conselho que eu dou para todas as mulheres é que, por mais que digam que você não vai conseguir, tente. Ninguém pode me definir ou me limitar. Sou muito feliz como PM. Missão dada é missão cumprida", se orgulha a policial militar Samara.

Luta

A cabo do BPChoque Lívia acrescenta que conseguir a admiração dos colegas foi consequência que veio com o tempo. "Eu era e tinha comportamento de menina. As pessoas tinham resistência logo aí", lembra. A criação dentro de casa interferiu diretamente para que ela enfrentasse obstáculos diante dos acontecimentos vivenciados no dia a dia do início da profissão.

"O machismo existe. Todo dia tenho que provar que sou capaz e mereço estar aqui. De farda ou não, sou a mesma Lívia. Fui criada em um meio que mulher pode fazer o que ela tiver vontade. Se tem objetivo e foco, consegue. A luta continua sendo diária".

(Diário do Nordeste, por Emanoela Campelo de Melo - Foto: Natinho Rodrigues)

Atualmente não avaliado

Comentários

Não há comentários no momento.

Novo Comentário

obrigatório

obrigatório (não publicado)

opcional

Arquivo

2019
2018
2016
2014
2013
2012
2011
2010
2009