Mulheres mastectomizadas podem reconstruir os mamilos com a micropigmentação

(0 comentário)

Confiança, bem-estar e autoestima são alguns dos sentimentos que mulheres submetidas à retirada das mamas podem recuperar com a realização de um procedimento estético, a exemplo da micropigmentação.

A técnica minimamente invasiva é aplicada por meio do dermógrafo, equipamento específico. Segundo a micropigmentadora Carine Amorim, as agulhas são descartáveis e a tinta adequada possibilitam com arte o efeito de realismo, simulando a aréola original.

Algumas mulheres após a retirada da mama perdem a sensibilidade no local. Mesmo assim, antes da aplicação do método, a profissional costuma usar uma pomada tópica para evitar desconforto.

Quando a reconstrução é realizada, em apenas uma das mamas me baseio pela tonalidade da outra. Mas quando a reposição é nas duas, me guio pela cor da pele, dos olhos e do cabelo para alcançar um tom natural mais próximo do fototipo de cada uma dessas mulheres ", destaca.

Apesar de atingir a proximidade do mamilo natural, o trabalho não é definitivo. Conforme a especialista, as tintas são reconhecidas pelo sistema imunológico, por isso com o passar do tempo acontece o clareamento. Ou seja, em torno de um ou dois anos é necessário reaplicar a pigmentação.

Image-0-Artigo-2591129-1
Apesar do efeito natural, a micropigmentação é um recurso que
precisa ser refeita entre dois ou três anos

"A revisão é realizada após 45 dias do protocolo, período em que o tecido está bem regenerado e se houver necessidade será feito o retoque, afirma.

Segurança

Carine Amorim diz ainda que, o desenho feito no procedimento é uma alternativa para quem deseja substituir a cirurgia. "Com as técnicas de desenho, incluindo os efeitos de luz e sombra, proporcionadas pela micropigmentação, consigo reproduz as aréolas com perfeição".

O momento ideal para se submeter ao método estético é relativo, dependendo do processo cirúrgico e da cicatrização da paciente. Por isso, a profissional entra em cena, somente depois da liberação médica. A técnica é simples, no entanto, como a região é delicada, a reparação bilateral dura em média três horas.

Nas primeiras semanas, após o procedimento, a micropigmentadora recomenda fazer a higiene adequada da região e utilizar uma pomada reparadora. "Além de elevar minha autoestima, melhorou a estética e agora me sinto mais segura diante do espelho e da vida", ressalta[/citacao].

Fabíola é uma das beneficiadas pelo "Amigos do Peito", projeto coordenado por Carine Amorim e Gisele de Paula. Neste ano, a ação solidária destinada a mulheres mastectomizadas, já selecionadas, acontece próximo dia 27, dentro do "Outubro Rosa".

(Diário do Nordeste, por Zilda Queiroz)

Atualmente não avaliado

Comentários

Não há comentários no momento.

Novo Comentário

obrigatório

obrigatório (não publicado)

opcional

Arquivo

2019
2018
2016
2014
2013
2012
2011
2010
2009