Centro de Reabilitação tem 15 peixes-bois à espera de soltura no mar

(0 comentário)

Há sete anos, Alva e Maceió trocaram a tranquilidade do mar para viver em tanques de água na superfície. Mas não foi porque eles quiseram. Os peixes-bois encalharam próximo à costa do Rio Grande do Norte e Ceará, respectivamente, e foram resgatados pela equipe do Centro de Reabilitação de Mamíferos Marinhos do Projeto Manatí, vinculado à Organização não-Governamental (ONG) Aquasis. No fim deste ano, a volta para a vida marinha pode se concretizar para eles, os animais mais velhos do projeto.

Semanalmente, passando por uma bateria de exames de sangue, medição de tamanho e manejo, chegou a hora de eles avançarem para uma etapa: a soltura. De acordo com Victor Luz, veterinário responsável pelos cuidados dos peixes-bois, o processo é longo. "Estamos dependendo de algumas licenças ambientais. A estrutura funciona como um semicativeiro. Ele tem o formato de um tanque-rede e será em uma área bem próxima à praia. Diariamente, a nossa equipe vai ao cativeiro para alimentá-los e monitorar o comportamento deles. O período em cativeiro varia de três meses a um ano", afirma.

Assistidos por uma equipe de biólogos, veterinários e voluntários, Alva e Maceió devem adentrar o cativeiro até o fim de junho. Em meio a esse processo, será a primeira vez que peixes-bois marcados com um chip (para monitorar) serão soltos no Ceará. Após a liberação no mar, a equipe remonitora os animais por mais um ano até que se certifique de que os bichos estão em condição para viver sozinhos na costa cearense, livres para nadar.

Junto a eles, outros 13 peixes-bois vivem no Manatí. O Sistema Verdes Mares acompanhou o manejo de dois destes animais: Erê e Minotauro, ambos com dois anos e meio de idade. Eles encalharam na praia de Beberibe, no litoral leste cearense e foram trazidos à sede do Centro, no Sesc Iparana, em Caucaia.

Durante o manejo, Minotauro foi trocado de tanque e passará a viver no oceanário, um reservatório de água de porte maior para animais mais velhos e que esperam na fila para serem devolvidos ao mar.

Amanda Oliveira, 30, é uma das integrantes da equipe. A bióloga trabalha no Projeto Manatí há cerca de três anos e ressalta a importância de preservação dos peixes-bois, espécie em extinção. "Cada resgate faz a diferença. É importante cuidar deles para manter e conservar a espécie, já tão ameaçada. É um trabalho muito gratificante", pondera.

Sensibilização

Para além do trato com os animais, o Manatí trabalha com algumas modalidades de educação ambiental, dentre elas, uma de soltura de animais, voltada para comunidades praianas e onde mais aparecem peixes-bois e uma de boas práticas na pesca. De acordo com Thais Chaves, coordenadora de Educação Ambiental do Projeto, as reuniões têm como finalidade despertar a sensibilidade da comunidade.

(Diário do Nordeste - Foto: José Leomar)

Para ela, é importante que essas pessoas saibam como proceder caso pesquem, por engano, estes animais. Ela frisa o papel importante do ser humano no meio ambiente.

Atualmente não avaliado

Comentários

Não há comentários no momento.

Novo Comentário

obrigatório

obrigatório (não publicado)

opcional

Arquivo

2019
2018
2016
2014
2013
2012
2011
2010
2009