Artigo Científico: Recursos tecnológicos na Contabilidade: um estudo no escritório de Sistema de Informação JM Sistemas Ibiapina-CE São Benedito-CE 2019

(0 comentário)

Artigo apresentado ao Curso de graduação em Ciências Contábeis, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Bacharel, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e pelo Instituto de Estudo e Pesquisa Vale do Acaraú (IVA).

Aluno: Miro Misael da Silva Ferreira

Orientadora: Prof.ª Especialista Nádia Alves Lima

RESUMO


O presente trabalho tem como foco central demonstrar a importância da Tecnologia da Informação (TI) na Contabilidade, visando o acréscimo de sua eficiência, e a rapidez dos serviços, indispensáveis a uma economia globalizada. O estudo traz uma visão sobre as informações geradas por esses sistemas para fins de gerenciamento. Objetiva-se mostrar a importância da utilização de sistemas integrados, que auxiliam na tomada de decisão da empresa, e ajuda a contabilidade a levantar informações com maior agilidade e veracidade. Este estudo trata-se de uma pesquisa de natureza básica com abordagem qualitativa. Tem-se ainda uma pesquisa bibliográfica acompanhada de estudo de campo, que para sua realização, utilizou-se uma entrevista. A problemática a ser seguida nesse estudo é: Como a evolução da contabilidade e o crescimento das transações tornaram indispensável o uso da ferramenta informática, para se obter informações sobre as atividades realizadas nas organizações? A pesquisa demonstra que a TI muito tem contribuído para o desenvolvimento da profissão contábil, devendo os profissionais da área estarem buscando constantes atualizações.

Palavras-chave: Evolução. Contabilidade. Sistemas de Informação.

1 INTRODUÇÃO


A informática vem a alguns anos ganhando espaço na área contábil, financeira e administrativa das empresas. A introdução e divulgação de hardwares e softwares direcionados a contabilidade possibilitou ao profissional contábil maiores e melhores condições de trabalho.


Sendo um dos principais objetivos da contabilidade a geração de informações para fins de controle, avaliação e tomada de decisão, a informação contábil precisa ser rápida e oportuna, caso contrário perderá seu valor e não será útil aos seus usuários. Dessa forma, dá-se a importância do processamento eletrônico de dados na área contábil e financeira.


A informática destaca-se trazendo progressos para a sociedade. Na contabilidade não é diferente, ela contribui para a valorização do profissional, que se beneficia da quantidade de informações que pode disponibilizar. Na empresa contábil o aumento da velocidade, da segurança e da eficácia nos serviços prestados aumenta a confiança de cada instituição perante seus clientes.


A problemática a ser seguida nesse estudo é: Como a evolução da contabilidade e o crescimento das transações tornaram indispensável o uso da ferramenta informática, para se obter informações sobre as atividades realizadas nas organizações?


É percebível a permanente necessidade de automação da Contabilidade, que tem estado vulnerável às constantes alterações do contexto econômico, de um lado atingida pelas mudanças da economia, e de outro, pelo volume e complexidade das transações que envolvem as operações das empresas em geral.

O objetivo geral deste trabalho é demonstrar a importância das Tecnologias da Informação nos Serviços de Contabilidade, e como os Contabilistas têm estado a se adaptar às novas evoluções e mudanças, na busca da maior e melhor qualidade de seus serviços e contribuindo para a função real no mundo virtual que é o da melhoria da sociedade em todos os aspectos. Os objetivos específicos traçados neste trabalho foram: Descrever o processo de implantação dos sistemas da informação em uma Organização de Contabilidade; Indicar medidas de adaptação no processo de implantação dos sistemas da informação nas organizações de serviços de contabilidade; Identificar de que forma a tecnologia da informação influencia os fatores organizacionais, após implantação dos sistemas nas organizações de serviços de contabilidade; Mostrar através de uma pesquisa de campo na empresa JM Sistemas, descrevendo a importância dos recursos tecnológicos para o desenvolvimento das organizações.


Justifica-se o estudo que com todo o avanço tecnológico, a área da Contabilidade vem seguindo o ritmo da TI, trilhando os caminhos do desenvolvimento, visando atingir os padrões de agilidade e qualidade exigidos pela sociedade para uma maior e melhor eficiência e eficácia.

2 CONTABILIDADE


A contabilidade é o instrumento que fornece todas as informações úteis para a tomada de decisões dentro e fora da empresa.


Todas as movimentações possíveis de avaliação monetária são registradas pela contabilidade, que em seguida resume os dados registrados em forma de relatórios e os entrega aos interessados em conhecer a situação da empresa. Através desses relatórios os interessados analisam os resultados obtidos, e tomam as decisões que julgarem corretas em relação ao futuro da organização.


A seguir destaca-se o seguinte conceito de Gouveia (1993, p.1):


[...]contabilidade é um sistema muito bem idealizado que permite registrar as transações de uma entidade que possam ser expressas em termos monetários, e informar os reflexos dessas transações na situação econômico- financeira dessa entidade em uma determinada data.

O uso da contabilidade aumentou e é grande a importância que ela possui no cenário mundial. Toda empresa que presta serviços à sociedade necessita, de um serviço de contabilidade que controle suas finanças. E com o aumento da troca de informações os mecanismos, antes eficientes, foram tornando-se obsoletos e cedendo lugar ao avanço da tecnologia.


2.1 CONCEITOS


A contabilidade coleta, registra, resume e interpreta com o objetivo de fornecer informações e orientações completas e precisas, sobre o estado patrimonial em determinado momento e sobre os resultados econômicos produzidos pela gestão administrativa em determinado período.

No conceito de Hilário Franco:


A Contabilidade é a ciência que estuda os fenômenos ocorridos no patrimônio das entidades, mediante o registro, a classificação, a demonstração expositiva, a análise e a interpretação desses fatos, com o fim de oferecer informações e orientação – necessárias à tomada de decisões – sobre a composição do patrimônio, suas variações e o resultado econômico decorrente da gestão da riqueza patrimonial. (FRANCO, 1997, p. 21)

A citação mostra a importância e o apoio que a contabilidade fornece para os seus usuários na tomada de decisão, ou seja, com números e valores reais os diagnósticos financeiros proporciona o gestor a obter bons resultados do seu investimento, sendo assim a contabilidade permite que mudanças poderão ocorrer caso aconteça alguma situação inesperada.


A administração de uma empresa deve ter como instrumento na sua tomada de decisão o uso da ferramenta contábil, sendo assim a contabilidade coleta todos os dados econômicos, e produzem relatórios que contribuem para que os gestores tenham o conhecimento profundo das reais circunstâncias da empresa, ajudando-os a tomar decisões precisas.

A Contabilidade, desde seu aparecimento como conjunto ordenado de conhecimento, com objetivo e finalidades definidas, tem sido considerada como arte, como técnica ou como ciência, de acordo com a orientação seguida pelos doutrinadores ao enquadrá-la no elenco das espécies do saber humano. (FRANCO, 1997, p. 19).

A contabilidade proporciona ao homem diversas maneiras de interação no cenário econômico, acompanhando e desenvolvendo técnicas de aperfeiçoamento ocorridas na sociedade atual. A contabilidade possui ferramentas precisas quando houver o detrimento em função das razões econômicas das empresas, restabelecendo e dando continuidade no seu fim social.


2.2 ORIGEM


Na contabilidade desde a antiguidade os seres humanos sentem a necessidade de calcular e administrar os seus bens para que estes sejam preservados e consequentemente rendam mais, podendo até gerar lucros.


A origem da Contabilidade remonta à Pré-História, como diz Abreu (2006, p.1), naquele tempo o registro da quantidade de animais era feito pela associação do número de animais com uma determinada quantidade de pedras. O homem pré-histórico mantinha em sua mão uma pedra para cada animal que havia sido levado ao pastoreio e ao retornar verificava se a quantidade de pedras conferia com a de animais, para confirmar que nenhum animal haveria se perdido no caminho. Hoje o profissional contábil chamaria esse processo de inventário (FRANCO, 1997).


Os autores acima ainda expõem que a Contabilidade surgiu para atender à necessidade de avaliar a riqueza do homem, bem como os acréscimos e decréscimos dessa riqueza em uma época em que ainda não existiam números, escrita ou moeda.


A fase da Contabilidade do Mundo Medieval, ocorrida entre 1202 a 1494, destaca os benefícios que a Contabilidade obteve com os avanços da ciência, principalmente da matemática e das grandes invenções, que abriram novos horizontes à civilização (FRANCO, 1997).


Em outro momento da história, na Itália, por volta de 1300 apareceu o Método das Partidas Dobradas, o que implicou o reconhecimento do registro contábil, facilitando as transações de crédito e a avaliação de desempenho dos gestores (ABREU, 2006).

Na fase de Contabilidade do Mundo Moderno que ocorreu nos período entre os anos de 1494 e 1840, relatada por Beuren, et.al. (2003, p.24) a ênfase foi à disseminação do Método das Partidas Dobradas por meio da obra de Frei Luca Pacioli, considerada como o início do pensamento cientifico da Contabilidade. Esta obra descreve, que num primeiro momento, o necessário ao bom comerciante. Após, definia o inventário e como fazê-lo. Postulava, ainda, sobre livros mercantis, registros de operações, contas em geral, correções de erros e arquivamento de documentos (ABREU, 2006).


A partir de 1840 iniciou-se a fase da Contabilidade do Mundo Contemporâneo, em que a Contabilidade passou a ser vista pelos teóricos como uma ciência.


Nos séculos seguintes ao livro do Frei Luca Pacioli a contabilidade expandiu sua utilização para instituições como a Igreja e o Estado e foi um importante instrumento no desenvolvimento do capitalismo. As técnicas e as informações ficavam restritas ao dono do empreendimento, pois os livros contábeis eram considerados sigilosos. Mas recentemente, com o desenvolvimento do mercado e fortalecimento da sociedade comercial, a contabilidade passou a ser considerada também como um importante instrumento para a sociedade (ABREU, 2006).


2.2.1 Contabilidade no Brasil


Segundo Schmidt e Santos (2006) as primeiras manifestações contábeis surgidas no Brasil, foram em 1808, no reinado de D. João VI, com a publicação de um documento (alvará), que obrigava aos contadores gerais da Real Fazenda utilizarem o método das partidas dobradas na contabilização e apuração dos resultados na escrituração mercantil (FECAP, 2004).


A principal e grande manifestação da legislação foi à edição do Código Comercial em 1850, que criou a obrigatoriedade da escrituração contábil e elaboração anual das demonstrações contábeis (balanço geral, apuração de lucros e perdas) da contabilidade mercantil.


Em 1852, foi publicado o livro “Tratado de Escrituração Mercantil por Partidas Dobradas Aplicado às Finanças do Brasil”, pelo autor Sebastião Ferreira Soares, considerada a primeira obra sobre contabilidade publicada no Brasil (FECAP, 2004).


No ensino da contabilidade o grande marco inicial foi em 1902, à criação da Escola de Comercio Álvares Penteado, em São Paulo – SP, sendo a primeira escola brasileira especializada no ensino da contabilidade (MARION, 2006).

2.3 USUÁRIOS DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS


De acordo com a contabilidade os usuários são as pessoas físicas, jurídicas, órgãos governamentais e demais entidades, que utilizam a contabilidade para obter informações. Marion (2005, p. 22) esclarece que: “os usuários da Contabilidade são pessoas físicas ou jurídicas, podendo ser classificados como usuários internos (funcionários, administradores, diretores) ou externos (acionistas, fornecedores, instituições financeiras, governo)”.


Ele ainda diz que os usuários podem ser internos ou externos e com interesses diversos, razão pela qual as informações geradas pela Entidade devem ser verdadeiras e suficientes para a avaliação da sua real situação patrimonial, das mutações sofridas no seu patrimônio, permitindo a realização de inferências sobre o seu futuro.


2.4 O CONTADOR


Contador é o profissional que lida com a área financeira, econômica e patrimonial, sendo o responsável pela elaboração das demonstrações contábeis e pelo estudo dos elementos que compõem o patrimônio das organizações. Para o contador, cada número tem seu significado, tudo é importante, pois cada dado que ele avalia representa como anda os negócios de uma empresa. Com isso, ele recomenda as atitudes a serem tomadas que visem solucionar problemas financeiros.

O profissional contábil precisa ser visto como um comunicador de informações essenciais à tomada de decisões, pois a habilidade em avaliar fatos passados, perceber os presentes e predizer eventos futuros pode ser compreendido como fator preponderante ao sucesso empresarial. (SILVA 2003, p. 3)


Esse profissional tem obrigação de mostrar à sociedade o quanto à profissão foi injustiçada, mostrando que as informações prestadas pela contabilidade são de importância inquestionável para a tomada de decisões.


A tarefa básica do Contador diante de um leque diversificado de atividades, segundo Iudícibus & Marion (2002, p.43) “é produzir e/ou gerenciar informações úteis aos usuários da Contabilidade para a tomada de decisões”.


Os profissionais da área contábil têm o papel de solucionar problemas como responsáveis pelo levantamento das informações de dados que interessam aos usuários. Sua responsabilidade é ter certeza de que o administrador se oriente por dados através de relatórios, apresentando também junto a esses, soluções de problemas para escolha caminho a ser seguido.

3 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS


Segundo alguns historiadores e teóricos, a Contabilidade surgiu juntamente com a civilização e teve sua evolução diretamente ligada a ela.


A necessidade do homem contar seus ganhos, perdas e controlar suas riquezas serviu como base para o surgimento da contabilidade, porém sua evolução foi lenta até o surgimento da moeda, onde a Contabilidade passou a ganhar real importância.


Os primeiros registros de escrituração por partidas dobradas é utilizado até hoje como método padrão na contabilização das operações financeiras, mas, a forma de como fazer a contabilidade passou por algumas transformações ao longo desses últimos anos.

Com a necessidade de gerar informações cada vez mais rápidas e eficientes, o processo de escrituração contábil que antes era manual passou a ser mecânico, sendo substituído mais tarde pelo método informatizado, o qual é utilizado atualmente e que trouxe mudanças e benefícios significativos para a área contábil.


3.1 FASE DO PROCEDIMENTO MANUSCRITO


Há algumas décadas a contabilidade era feita de forma artesanal. Nesse período, toda a escrituração contábil era feita manualmente, assim, ficava muito difícil manter os relatórios contábeis atualizados devido ao volume de informações e registros necessários. O trabalho de escrituração contábil era muito trabalhoso, exigia muito tempo e rigoroso controle das anotações.


Pegoraro (2007, p. 13) descreve como era feita a contabilidade manualmente:

[...] os operadores lançavam os atos e fatos ocorridos nas transações comerciais, fiscais, financeiras e trabalhistas das empresas, em ordem cronológica de dia e data em dois livros específicos para este fim, chamados de livro diário copiativo e livro razão composto de fichas. Nestes livros, a apuração final dos resultados de cada período contábil das empresas, era extremamente complicada, pois os controles de contas a receber e a pagar eram registrados, manualmente, em fichas individuais.


Além de ser muito trabalhoso gerar informações contábeis, estas informações eram insuficientes e não ofereciam segurança a seus usuários, o que impossibilitava o uso dessas informações como parâmetros na tomada de decisões e também dificultava o controle interno das empresas. Diante disso, o contador tinha pouca importância para as empresas, era como se seu trabalho fosse fundamentalmente calcular impostos e preencher guias.


3.2 FASE DO PROCEDIMENTO MECANIZADO


O método manuscrito de fazer contabilidade perdeu espaço com o surgimento das máquinas de datilografia. Com o surgimento dessas máquinas a escrituração passou a ser feita de forma mecânica.

Os lançamentos contábeis mecanizados eram feitos da seguinte forma: cada conta patrimonial ou de resultado, possuía uma ficha razão classificada por ordem de liquidez, sendo o ativo (bens e direitos), o passivo (obrigações) e as contas de resultados (receitas e despesas). Essas fichas eram inseridas na máquina de datilografia juntamente com uma folha na dimensão de um livro diário, com carbono copiativo assim, os dados datilografados eram transferidos para o livro diário. Para a apuração de um balancete de verificação somavam-se todas as fichas “razão”, devendo os valores dos débitos serem iguais aos valores dos créditos. (PEGORARO, 2007).


3.3 FASE DO PROCEDIMENTO INFORMATIZADO


A partir da década de 80 começaram a surgir os micros e os sistemas informatizados possibilitando que a escrituração contábil que antes era feita de forma manual ou mecânica, passasse a ser informatizada.


Os livros de registros passaram a ser processados eletronicamente, sendo substituídos por folhas soltas ou formulários contínuos e os fichários por pastas contínuas e mídias eletrônicas.


Grande quantidade de aplicativos na área contábil, fiscal, gerencial entre outros, foram e continuam sendo lançados no mercado, trazendo grandes inovações para o segmento empresarial.


Como se viu, o processo artesanal de escrituração contábil foi substituído pelo mecânico e, logo em seguida pelo automático. Com isso, a classe contábil foi beneficiada no que tange a melhoria na escrituração contábil de uma empresa, utilizando a tecnologia da informática.


4 CONTABILIDADE INFORMATIZADA

A contabilidade informatizada é um uso benéfico dos avanços tecnológicos atuais. Não só revolucionou os métodos de papel tradicionais de contabilidade, mas também criou novos tipos de aplicações de contabilidade para as empresas. As empresas passaram a criar sistemas de informações contábeis que integram todas as operações comerciais.


Existe a necessidade de Sistemas Integrados para a tomada de decisão nas empresas. Segundo Oliveira e Vasconcelos (2005, p.69):


Com o advento da informática a Contabilidade das grandes empresas tomou um direcionamento diferente da Contabilidade de décadas atrás. O contador, agora, tem a responsabilidade e o compromisso de fazer com que sua profissão seja vista pela sociedade e pelos grandes empresários de forma diferenciada. Além da mudança cultural, a contabilidade necessitava de uma mudança nos meios como era executada; precisava, cada vez mais, operacionalizar as suas atividades e, para isso, o contador precisava estar atualizado com as ferramentas tecnológicas existentes no mercado.


Com isso, uma das ferramentas mais utilizadas atualmente é o ERP (Enterprise Resources Planning), o Sistema Integrado de Gestão, que visa aperfeiçoar a ligação dos processos, dando, desta forma, uma posição ao contador para auxiliar nas tomadas de decisão.


4.1 A EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE INFORMATIZADA


Segundo alguns historiadores e teóricos, a Contabilidade surgiu juntamente com a civilização e teve sua evolução diretamente ligada a ela, Iudícibus (2000, p. 30) afirma que:


O homem primitivo, ao inventar o número de instrumentos de caça e pesca disponível, ao contar seus rebanhos, ao contar suas ânforas (vasos antigos utilizados para armazenar bebidas), já estava praticando uma forma rudimentar, não evoluída de Contabilidade.


A necessidade do homem contar seus ganhos, perdas e controlar suas riquezas serviu como base para o surgimento da contabilidade, porém sua evolução foi lenta até o surgimento da moeda, onde a Contabilidade passou a ganhar real importância.


Apesar de ter raízes primitivas, os primeiros registros de escrituração por partidas dobradas surgiram na Itália somente nos séculos XIII e XIV. Esse sistema de escrituração continua sendo utilizado até hoje como método padrão na contabilização das operações financeiras, porém, a forma de como fazer a contabilidade passou por algumas transformações ao longo dos anos (IUDÍCIBUS, 2000).

Com a necessidade de gerar informações cada vez mais rápidas e eficientes, o processo de escrituração contábil que antes era manual passou a ser mecânico, sendo substituído mais tarde pelo método informatizado, o qual é utilizado atualmente e que trouxe mudanças e benefícios significativos para a área contábil.


4.2 PRINCIPAIS SISTEMAS CONTÁBEIS


4.2.1 Sistema de Contabilidade Comercial


Desenvolvido para pequenas empresas comerciais, geralmente ele não é completo, portanto, limita-se as operações mais simples e não possibilita o bom acompanhamento das transações.


4.2.2 Sistema de Contabilidade Fiscal


Sistema desenvolvido para fazer a escrita fiscal das empresas, escriturando os livros, apuração de impostos e contribuições, controlando as operações por atividade e por regime de tributação. Além de produzir relatórios utilizados pela contabilidade, ele produz informações fiscais em nível municipal, estadual e federal.


4.2.3 Sistema de Contabilidade de Custos


Contém programas que geram demonstrativos de custos através de programas, gerando informações para a contabilidade, e para a geração de relatórios gerenciais de custos, produtos, produção e consumo.


É muito utilizado nas indústrias, onde a complexidade dos custos é maior comparado aos outros ramos de atividade.


4.2.4 Contabilidade Gerencial


É o sistema mais completo e mais complexo. Apresenta muitas opções de relatórios e é direcionado para as médias e grandes empresas ou escritório de contabilidade.


Exige mais conhecimento dos usuários, já que é enorme o seu leque de atividades.

Conforme Oliveira (2003, pág. 31), as características para um bom sistema de contabilidade gerencial que existem no mercado são:


 Contam com um plano de contas on- line;
 Fornecem críticas dos lançamentos;
 Fazem rateio automático das contas com base em percentuais definidos;
 Possibilitam o cadastro de eventos e históricos padronizados;
 Possibilitam a conciliação das contas de bancos, clientes e fornecedores;
 Apresentam o movimento de caixa e o fluxo de caixa;
 Emitem o termo de abertura e de encerramento do diário;
 Geram o razão com alternativas de partida e contrapartidas;
 Geram balancetes em diferentes níveis;
 Apresentam o balanço patrimonial com termos de abertura e encerramento;
 Apresentam as demonstrações financeiras, com demonstrativos do resultado;
 Possibilitam diversas análises e índices econômico- financeiros;
 Permitem a elaboração de gráficos;
 Possibilitam consulta on-line de qualquer informação;
 Apresentam editor de textos on-line;
 Possibilitam a conversação do balanço ou índices específicos;
 Possibilitam o controle gerencial por departamento, ou centro de custo;
 Tem capacidade de processar informações para mais de 100 filiais;
 Podem processar informações de contabilidade atrasada em até cinco anos;
 Tem capacidade de processar muitos lançamentos mensais;
 São mutuários e multiempresas;
 Controlam o acesso por usuário;
 Geram backup automático.


Todas estas características tornam o sistema o mais completo possível, deixando-o com opções de acesso mais amplo, e controle de dados que mostram a situação real da empresa.


4.2.5 Sistemas de Administração de Pessoal ou de Recursos Humanos


É um sistema com programa que gera a folha de pagamento, pensões alimentícias, 13° salário, retenções de imposto de Renda, entre outros ligados à folha de pagamento.


Os sistemas de administração de pessoal ou de recursos humanos contém informações específicas relacionadas com os empregados, por meio de um banco de dados possibilitando a emissão de mensagens nos contracheques e relatórios relacionados com o perfil de cada um.


4.2.6 Sistema de Controle de Estoque


Sistema que gera o inventário físico e financeiro, relatórios de entradas e saídas por fornecedor, região, setor, departamento ou área, através do sistema de vendas ou faturamento, enviando informações com mais agilidade.

4.2.7 Sistema de Faturamento


O sistema alimenta as informações para o controle de contas a receber, controle de estoque e contabilidade.
Este sistema facilita o controle do faturamento mensal da empresa, pois fazem as anotações e os cálculos das comissões dos vendedores, se houver, ajudando a melhorar o atendimento aos clientes com a emissão automática de notas fiscais.


4.2.8 Sistema de Contas a Pagar


Contém programas que geram relatórios de controle geral das obrigações da empresa. Esse controle não é somente dos créditos referentes aos fornecedores, mas também dos impostos, dos salários não pagos, das consignações descontadas em folha mensal, das contribuições, dos empréstimos tomados pela empresa e tudo mais que representar uma dívida para ela.


Este sistema é considerado um importante instrumento de gerenciamento financeiro de uma empresa, pois sabe- se das implicações que podem acontecer pela falta de pagamento no vencimento de qualquer obrigação, que implicam a aplicação de elevadas multas, já no dia seguinte ao do vencimento.


4.2.9 Sistema de Contas a Receber


Tão importante quanto o sistema de contas à pagar, o sistema de contas à receber gera relatórios das contas a receber da empresa informando por data de vencimento, dias de atraso e eventuais cobranças de juros e multas, enviando essas informações para a tesouraria e a contabilidade.


4.2.10 Sistema de Controle de Imobilizado


É um sistema que alimenta informações relativas à movimentação dos bens do ativo imobilizado da empresa, gerando relatórios de adições, baixas, transferências, depreciação e correção, se houver.

Além do controle financeiro, os sistemas proporcionam o controle físico do bem, indicam a data de aquisição, localização, vida útil, estado geral atual, tempo médio de vida, fornecedor, nota fiscal, etc.


4.2.11 Sistema de Gerência ou Gestão Financeira


É um sistema que geralmente centraliza informações da contabilidade, faturamento, contas a pagar e a receber, tesouraria, de forma que cada um destes se desenvolve em áreas específicas, funcionando de forma correta somente quando a empresa está interligada em rede, com as áreas desenvolvidas integradas. (OLIVEIRA, 2003. p.38).


Centraliza as informações da contabilidade, sendo que essas atividades são desenvolvidas em cada área específica, e gerenciadas pela administração financeira ou controladoria, dependendo da estrutura adotada na empresa.


4.3 PRINCIPAIS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PRESTADAS PELA INFORMATIZAÇÃO


As informações geradas pela contabilidade devem ser claras, objetivas, confiáveis e chegar a tempo hábil aos seus usuários para serem úteis no processo decisório e no controle interno das empresas, uma decisão tomada baseada em informações falhas, pode comprometer de forma negativa todo o funcionamento de uma empresa.


No cenário atual, a Contabilidade vem se destacando como um grande instrumento capaz de gerar informações importantes para a administração das empresas, coletando dados econômicos e financeiros, transformando-os em relatórios contábeis que fornecem aos usuários informações relevantes para o planejamento, controle e tomada de decisão.


O sucesso de uma organização está diretamente ligado às informações fornecidas pela Contabilidade. Conforme afirma Cassarro (2003, p. 34):


[...] a informação - adequadamente estruturada - contribui para que a empresa se torne mais e mais dinâmica, a ponto de afirmarmos que "tanto mais dinâmica será uma empresa quanto melhores e mais adequadas forem as informações de que os gerentes dispõem para as suas tomadas de decisão".


As informações necessárias ao bom desempenho das funções da empresa podem ser internas ou externas. As informações internas são aquelas produzidas dentro da própria empresa. E as informações externas são aquelas que vêm de fora da empresa, podendo vir de instituições públicas ou privadas com quem a empresa mantém contato ou realiza negócios, Essas informações são apresentadas através das demonstrações contábeis (Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício - DRE, Demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados - DLPA, Demonstração das origens e aplicações de Recursos- DOAR etc.), escriturações, livros de registro, documentos, pareceres entre outros relatórios contábeis.


4.4 OS IMPACTOS DA INFORMATIZAÇÃO NO PERFIL PROFISSIONAL DO CONTADOR


As diversas funções realizadas pela Contabilidade, como escrituração, elaboração análise e controle dos dados contábeis, foram afetadas. A introdução das redes, tornou possível a comunicação virtual dos Contadores com os órgãos públicos, visto que se verifica mudanças na composição e estrutura das organizações.


A tecnologia de informação juntou- se ao universo contábil como forma de resposta às novas exigências do mercado, traduzindo mudanças no perfil do profissional.


O profissional contábil, como um elemento que integra a organização, também está inserido nesse contexto, e vem sofrendo uma forte pressão diante das mudanças, pois a sua função está sendo reformulada a cada passo desse processo de transformação. Esse profissional deve buscar alternativas para agregar valor não só a empresa com o seu trabalho, utilizando a Tecnologia da Informação como uma aliada na aquisição e desenvolvimento de competências (BARBOSA, 2000, P.2).


Segundo Cornachione.(1994 a, p.143-144) com o adequado tratamento da informática em sua formação, o profissional da área contábil poderá obter, entre outras, as seguintes vantagens competitivas no mercado de trabalho:


 Compreender os sistemas computacionais, aprender a „enxergar‟ os problemas complexos das empresas, das organizações sob enfoque sistêmico;
 Ocupar seu espaço de profissional que gerencia os sistemas de informações em geral e os sistemas de informações contábeis das empresas;
 Dominar a operacionalização dos microcomputadores e redes de microcomputadores, que representam a realidade empresarial atual e base da tendência para o futuro; além de compreender e utilizar a terminologia desta área;
 Operar aplicativos que atendam ás suas necessidades de cálculos (planilhas eletrônicas), de textos (processadores de textos, editoração eletrônica), de banco de dados (gerenciadores de bancos de dados) e necessidades gráficas (aplicativos gráficos).
 Tornar-se mais participativo conseqüentemente, produtivo nas etapas de desenho, geração e criação de sistemas de informações estratégicas e operacionais;
 Analisar e participar ativamente da análise de sistemas contábeis que em breve estarão funcionando sob a sua responsabilidade;
 Visualizar e compreender os „componentes‟ da informática como partes do processo de informação e não como uma “caixa preta”;

 Acompanhar, participar e entender o moderno ambiente computacional;
 Utilizar a informática como meio eficiente para otimizar as soluções contábeis e gerenciais num ambiente empresarial competitivo;
 Proporcionar informações integradas aos usuários, que reflitam realidades de diversas áreas da organização;
 Participar ativamente da geração de sistemas de avaliação de desempenho, acompanhamento de gestão por áreas de responsabilidade, avaliação de resultados, etc;


Em outras palavras, o que o autor procura mostrar, é que a informação não trouxe apenas modificações para as negociações empresariais, pois não é apenas necessário possuir informações, mas saber elaborar e interpretar de forma adequada e em tempo hábil para que se possa obter o melhor proveito da informação.


A área contábil foi uma das que mais sofreram impactos com a introdução tecnológica, porém, é preciso que o profissional contábil tenha em mente que o processo de transformação promovido pelas inovações tecnológicas é um processo dinâmico e contínuo, pois este assume a responsabilidade pelo gerenciamento das informações que auxilia no desenvolvimento das atividades empresarias, devendo ter consciência da sua necessidade de atualização a fim de acompanhar a evolução dos procedimentos, que envolvam o fluxo das atividades da Contabilidade.


5 METODOLOGIA


5.1 TIPO DE ESTUDO


Esta pesquisa é de natureza qualitativa, pois se preocupa com aspectos da realidade que não podem ser quantificados, centrando-se na compreensão e explicação da dinâmica das relações sociais.


Para Minayo (2001, p. 22):


A pesquisa qualitativa trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis.


A definição de critérios segundo os quais serão selecionados os sujeitos que vão compor o universo de investigação é algo primordial, pois interfere diretamente na qualidade das informações a partir das quais será possível construir a análise e chegar à compreensão mais ampla do problema delineado.

De acordo com Lakatos & Marconi (1990, p. 66):


A pesquisa bibliográfica, ou de fontes secundárias, abrange toda a bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo desde publicações avulsas, boletins, jornais, monografias, teses, material cartográfico, etc.


Para realizar a pesquisa bibliográfica o pesquisador precisa levantar o tema, tipo de abordagens e assimilar aos conceitos anteriormente publicados.


A pesquisa bibliográfica se fez necessária para fundamentar teoricamente o tema proposto.


5.2 LOCAL DE ESTUDO


A pesquisa foi realizada no estabelecimento de nome JM Sistemas, no município de Ibiapina-CE, com o proprietário José Moacir Tavares Moreira de maneira pessoal no dia 10 de maio de 2015 e recolhido no dia 25 de maio de 2015.


5.3 COLETA DE DADOS


O instrumento de coleta de dados utilizado nos levantamentos da presente pesquisa foi uma entrevista ou questionário para a obtenção dos resultados estruturada com 10 perguntas abertas, que foram entregues ao proprietário e administrador do estabelecimento.


Este estudo mostra através de um estudo bibliográfico e de campo a finalidade e a importância dos sistemas de informações contábeis dentro das organizações, a análise sobre a importância da Tecnologia da Informação (TI) as Organizações de Serviços de Contabilidade, de forma a mostrar quais os problemas e os benefícios, dá um breve enfoque sobre a evolução da contabilidade até os dias atuais, e por fim, o resultado da pesquisa de campo aplicada na microempresa JM Sistemas.


6 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS


Neste capítulo será apresentada a análise e interpretação acerca das respostas coletadas na presente pesquisa. Como já citado anteriormente, o objetivo deste trabalho foi de investigar os recursos tecnológicos na contabilidade, e foi elaborado e aplicado um questionário dissertativo, e que serão expressos através de texto os seus resultados divididos em três partes, uma vez que as perguntas estão interligadas.

6.1 ENTREVISTA DESTINADA AO GERENTE DO ESTABELECIMENTO


Na primeira abordagem perguntou-se como o entrevistado avalia o sistema de informação utilizado pela sua empresa, em relação à operação do mesmo e ao fornecimento de informações.


De acordo com o entrevistado são inúmeras as vantagens propiciadas à área contábil através da informática, porém, constata-se que apesar de todos os avanços tecnológicos ocorridos no setor contábil, ainda há empresas que não se utilizam desses sistemas. Por outro lado, verifica-se que a grande maioria das empresas fazem uso de softwares contábeis, e estas se mostram satisfeitas em relação aos sistemas utilizados. (Moacir) O sistema de informação é considerado um fator potencializador de desenvolvimento da atividade administrativa. Pela sua capacidade de integração, ele oferece a empresa nos dias atuais recursos fantásticos para um melhor aproveitamento de suas atividades. Em um outro momento o entrevistado foi questionado sobre os fatores que levam uma organização à utilizar um sistema de informação, e se os recursos oferecidos pelo software são capazes de suprir todas as necessidades das empresas que o utilizam.


As empresas estão usando a informação contábil para fins de gerenciamento e o mercado está desenvolvendo sempre bons produtos na área tecnológica voltada para a contabilidade. (Moacir)


Os sistemas oferecem aos gestores informações financeiras. Isso os ajuda a tomar decisões e manter um controle eficaz sobre os recursos das empresas. Os desenvolvedores de softwares estão sempre atentos às novas exigências, portanto, além dos contadores, os programadores também trabalham bastante para prover os dados necessários para constituir os relatórios.


No último bloco foi questionado se estes sistemas utilizados pelas empresas geram todos os relatórios necessários para a tomada de decisões da direção, e oferecem segurança, confiabilidade e rapidez nas informações ou relatórios fornecidos.

Conforme o entrevistado percebi que as informações geradas por estes sistemas oferecem sim segurança, confiabilidade e rapidez para o processo de controle, planejamento e tomada de decisão.


Isso mostra que a transferência e o gerenciamento eletrônico das informações além de reduzir os custos logísticos, permitem o aperfeiçoamento do serviço baseando-se principalmente na melhoria da oferta de informações aos clientes, ajudando estes com eficiência na tomada de decisões.


7 CONSIDERAÇÕES FINAIS


A Contabilidade vem acompanhando as inovações tecnológicas, como igualmente as empresas modernas fazem parte de uma nova economia e estão inseridas em um mercado competitivo, onde a informação em todas as suas formas necessita-se e torna-se digital. O mercado contemporâneo demanda das organizações uma gestão estratégica eficiente que pode ser promovida com o suporte dos recursos inteligentes proporcionados pela tecnologia e pelos múltiplos sistemas de informações à disposição dos profissionais contábeis.


O atual contexto caracteriza-se pelo acelerado progresso das tecnologias e pela abundância de inovações tecnológicas disponibilizadas. Destarte, compreender como os avanços tecnológicos ocasionam impacto na contabilidade e estimar-se a contribuição que essas inovações oferecem para alcançar objetivos propostos torna-se condição necessária para o exercício profissional de excelência.


O setor contábil evoluiu muito ao longo dos anos, porém ainda há muitas empresas que não acompanharam esta evolução, e que ainda não notaram a importância da contabilidade aliada à informática para a atividade empresarial.


Ressalvando aqui de uma maneira positiva, o campo contábil foi um dos que mais sofreu impactos das inovações tecnológicas, assimilando transformações organizacionais decorrentes destas e incorporando-as ao desempenho das atividades alargadas na contabilidade.


Na área gerencial, que é o enfoque principal desse trabalho, nota-se que os resultados alcançados pelo uso de sistemas contábeis informatizados estão sendo satisfatórios.


O sucesso de uma empresa depende uma boa administração, e para que isso aconteça, é fundamental o uso das informações geradas pela contabilidade.

Na atualidade em que nos encontramos o crescimento ou evolução da contabilidade se dá de forma prática e rápida, prezando o custo-benefício, onde os softwares se tornam aliados importantíssimos, que facilitam os cálculos, as pesquisas e assuntos diversos, porém, a tecnologia não substitui a figura do contador, pois a máquina precisa deste para analisar, tomar decisões e buscar soluções que somente a mente humana é capaz.


Em suma, este trabalho é visto como um despertar aos novos contabilistas que estão adentrando neste novo universo de inovação e renovação constante, bem como aos alunos das instituições e à população, mostrando informações importantes produzidas ao alcance de todos.


REFERÊNCIAS

ABREU, Ari Ferreira de. Fundamentos de contabilidade: utilizando o excel. São Paulo: Saraiva, 2006.

BAGRANOFF, N. A.; MOSCOVE, S. A.; SIMKIN, M. G. Sistemas de informações contábeis. Tradução: Geni G. Goldschmidt. São Paulo: Atlas, 2002.

BARBOSA, Ana Maria Ribeiro. As implicações da tecnologia da informação na profissão contábil. In: Congresso Brasileiro de Contabilidade, XVI., Goiânia, 2000.

BEUREN, Ilse Maria; et.all. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. Teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2003.

CASSARRO, A. C. Sistemas de informações para tomada de decisões. 3ª ed. São Paulo: Pioneira, 2003.

COELHO, Cláudio Ulysses F. O técnico em contabilidade e o mercado de trabalho: contexto histórico, situação atual e perspectivas. Senac. 2005. Disponível em: < http://www.senac.br/BTS/263/boltec263d.htm>. Acesso em: 06/07/2015.

Contabilidade . São Paulo. Atlas, 1999.

CORNACHIONE JUNIOR, Edgar Bruno. Das bases de sustentação da contabilidade e da informática. São Paulo: FEA/USP. 1994 156p.

FECAP –Revista de Administração OnLine. Volume 5, p 39, jul/ago/set 2004.

FRANCO, Hilário. Contabilidade Geral 23 ed. Ed. Atlas. São Paulo, 1997. 407

GOUVEIA, Nelson. Contabilidade básica. 2a ed. São Paulo: Harbra Ltda., 1993.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 6ª ed. São Paulo: Atlas 2000. 21

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Introdução à teoria da contabilidade para o nível de graduação. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1990.

MARION, José C. Contabilidade empresarial. 12. Ed. 2. reimpressão. São Paulo: Atlas, 2006.

MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2005. 502p.

MINAYO, Maria. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria. C. S (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. p.09-29.

OLIVEIRA, D. P. R. Sistemas de informações gerenciais. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 1999.

OLIVEIRA, Edson. Contabilidade Informatizada – Teoria e Prática. 3ª. ed. São Paulo: Altas, 2003.

OLIVEIRA, Edson. Contabilidade informatizada: teoria e prática. 2.ed. São Paulo, Atlas, 1997. 176p.

OLIVEIRA. MarilisaMontoani de. Contabilidade gerencial: a aplicação na gestão de microempresas e empresas de pequeno porte. 2005.

PEGORARO, P. R. Inovação nos serviços contábeis. 2007.

SA, A Lopes de. Informação e explicação: informática e contabilidade. In: R. bras. Cont., Brasília, v. 27.n.113. p. 38-42, set.-Out. 1998.

SANTOS, José L. dos Schmidt, Paulo. Machado, Nilson P. Fundamentos da teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2005.

SCHMIDT, Paulo. SANTOS José.L. Historia do pensamento contábil. São Paulo: Atlas, 2006.

SILVA, Antônio Carlos Ribeiro. Metodologia da pesquisa aplicada à Contabilidade: Orientações de estudos, projetos, relatórios, monografias, dissertações, teses. São Paulo: Atlas, 2003.

WILKIMEDIA. www.upload.wikimedia.orgG- Acessado em 09/07/2015 às 23:52

GOOGLE www.google.com.br www.stormworm.com.br500- Acessado em 09/07/2015 às 22:18

APÊNDICE-I

QUESTIONÁRIO DE APOIO AO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II 22

Este questionário é parte integrante do Trabalho de Conclusão do artigo que está sendo realizado pelo acadêmico Miro Misael da Silva Ferreira, aluno do curso de Bacharelado em Ciências Contábeis no IVA – Instituto de Estudos e Pesquisas do Vale do Acaraú, Campus de São Benedito - CE, orientado por Nádia Alves de Lima.

Empresa: JM Sistemas

Cidade: Ibiapina / Estado: CE

Data de Preenchimento: 10/05/2015

  1. Qual o segmento que a empresa atua?
  1. Qual a sua função dentro da empresa?
  1. A sua empresa além de fornecer, possui algum sistema de informação informatizado?
  1. Como você avalia o sistema de informação utilizado pela sua empresa, em relação à operação do mesmo e ao fornecimento de informações?

  1. Em sua opinião, quais os fatores que levam uma organização à utilizar um sistema de informação?

  1. A respeito do seu software, os recursos oferecidos por ele são capazes de suprir todas as necessidades das empresas que o utilizam?
  1. Qual o nome do sistema que é desenvolvido pela sua empresa?
  1. O JM Sistemas quando utilizado pelas empresas gera todos os relatórios necessários para a tomada de decisões da direção?
  1. O seu sistema é elaborado de acordo com a necessidade da empresa que irá utilizá-lo?
  1. O sistema oferece segurança, confiabilidade e rapidez nas informações ou relatórios fornecidos?

1 Miro Misael da Silva Ferreira estudante do curso de ciências contábeis no Instituto de Estudos e Pesquisas do Vale do Acaraú - IVA

Atualmente não avaliado

Comentários

Não há comentários no momento.

Novo Comentário

obrigatório

obrigatório (não publicado)

opcional

Arquivo

2019
2018
2016
2014
2013
2012
2011
2010
2009